Feijão desce 10%, farinha 4,7% e cesta básica cai 0,77% em Imperatriz

A comparação é com janeiro deste mesmo ano

Em fevereiro de 2017 o custo da alimentação básica diminuiu na cidade de Imperatriz-MA, segundo mostra a Pesquisa da Cesta Básica de Alimentos (Tabela 1). Neste mês, o custo total da Cesta Básica na maior cidade do continente maranhense situa-se na casa de R$ 305,66. Ou seja, ficou 0,77% mais barato comprar as mesmas mercadorias com as mesmas quantidades do que em janeiro deste ano.

No mês passado, o imperatrizense pagou R$ 308,04 pela cesta básica. O feijão foi o mocinho e a farinha, a mocinha; estes produtos tiveram queda acentuada e puxaram para baixo o preço da cesta. Com a chegada das chuvas, o leite e o arroz se apresentaram como os vilões da inflação local. (Tabela 2).



Quando se compara o custo da cesta básica de alimentos (R$ 305,66) com o salário mínimo líquido (R$ 862,04), ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional, em fevereiro/2017, teve que trabalhar 78h42min para adquirir os produtos da cesta básica de alimentos, significando um comprometimento de 35,43% de sua renda disponível nessa aquisição, restando-lhe somente 64,57% para fazer frente às demais despesas (moradia, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene e transporte).

Esse comprometimento da renda disponível em fevereiro/2017 (35,43%) foi levemente inferior ao de janeiro/2017 (35,73%), o que se explica pela redução no custo da cesta de alimentação básica em 0,77%.

Com base na cesta mais cara dentre as das 27 capitais do Brasil, e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e da família dele com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o Dieese estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário.

Aplicando-se a mesma metodologia de cálculo para a cidade de Imperatriz verifica-se que, em fevereiro de 2017, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas (sendo dois adultos, um adolescente e uma criança) deveria equivaler a R$ 2.567,85, ou 2,74 vezes o salário mínimo vigente de R$ 937,00.

São Luís
Imperatriz seguiu a tendência nacional de queda da cesta básica. Conforme apurou o Dieese houve uma redução em 25 das 27 capitais. Para azar do ludovicense, uma duas capitais onde aconteceu alta foi em São Luís-MA: 0,14%. Quem mora na capital potiguar, Natal-RN, também pagou mais caro: 0,59%.

Belém
Apesar da redução de 2,66% no preço da cesta básica na capital paraense, o belenense [Foto destacada, TV Liberal e G1-PA]pagou R$ 395,57 para adquirir, em fevereiro, os mesmos produtos aos quais o imperatrizense desembolsa R$308,04. A farinha, mocinha aqui foi a vilã na terra do Ver-o-Peso com alta de 31,12%.

Porto Alegre
A capital gaúcha continua como a cidade mais cara do País. O salário mínimo necessário pelos Pampas está na casa dos R$3.811,29 ou 4,07 vezes o mínimo.

Antônio Ladeia

 
Usamos cookies para acelerar a navegação em nossas páginas. Clique na caixa ao lado.