O prefeito não quer, a Câmara quer

O Plenário da Câmara Municipal acatou sugestão do vereador Antonio Pimentel (PDT) e articula a formação de uma comissão para ser recebida em audiência pelo governador Flávio Dino. Na pauta, ajuda para a infraestrutura, a saúde (principalmente) e encampação pelo estado da UPA do São José.

O prefeito Assis Ramos reluta em encontrar-se com o governador para selar uma parceria institucional. Vê empecilhos políticos e não quer desagradar seu grupo. Ano que vem tem eleição para o governo estadual.

Mas deve estar injetando a ideia na sua bancada de sustentação.

Ajoelhou...
Conselho dos experientes João Silva (PRB) e Pìmentel (PDT) aos jovens vereadores da bancada do prefeito: esconder-se no plenário e fugir da tribuna em momentos de crise do governo não é boa receita.

Quem começou tem que ir até o fim. Defender governo em baixa não interfere na reeleição de vereador, argumentam os decanos da Câmara Municipal.

Vai que dá
Vereador Rildo Amaral (Solidariedade) defende a criação do Fundo Municipal da Pessoa com Deficiência alimentado com receita das multas aplicadas a quem desrespeita o direito do deficiente no trânsito.

Ricardo Seidel (Rede) gosta da ideia, mas tem lá suas desconfianças. Diz que desde o ano passado, o Ministério Público cobra a criação deste e do Fundo Municipal do Idoso.

Desvio polêmico
Chiquim da Diferro (PSB) não ficou nada satisfeito durante discussões de indicação sugerindo estudo, por parte da Prefeitura, sobre viabilidade ou não do desvio do ricaho Bacuri, na altura do aeroporto, margeando a BR-010 até desaguar no Cacau.

Alberto Sousa, da Comissão de Meio Ambiente, se posicionava contra a matéria, assim como o presidente José Carlos Soares.

Apesar dos ânimos lá em cima, Chiquim conseguiu aprovar a indicação, mas com quatro votos contra.

Lei dos Bares
Aliado do governo, Paulinho Lobão (PDT) ameaçou jogar contra o patrimônio. Cobrou duramente da administração municipal medidas urgentes para desburocratizar o processo de liberação de shows em casas noturnas da cidade. Falou em nome dos empresários, dos trabalhadores da noite e de todos os comerciantes e prestadores de serviços que ganham com esses eventos.

Deixa para a Câmara Municipal voltar a debater a chamada Lei dos Bares, comemorou João Silva. Segundo ele, crimes e outras contravenções não diminuiram com a proibição das casas noturnas funcionarem até depois da 2 horas da manhã.

Homenagem
Vereador Fábio Hernadez (PSC), vice-presidente da Câmara, luta pela criação do Dia Municipal do Surdo. Já protocolou indicação na Secretaria da Casa tratando do assunto.

A Semana

 
Usamos cookies para acelerar a navegação em nossas páginas. Clique na caixa ao lado.