Tijolaço: Temer e os figurões (e figurinhas) da lista de Janot

Vai começar, amanhã, a semana infernal da política brasileira, a não ser que o procurador Rodrigo Janot decida, o que é improvável, optar por por uma escandalosa seletividade no tratamento das delações da Odebrecht.

Vamos começar a sentir se os procuradores do “Fim do Mundo” querem ser apenas cúmplices de um projeto conservador ou se confirmam que têm, eles próprios, uma aspiração messiânico-autoritária.

O viés especificamente anti-Lula, golpista e anti-esquerda de tudo o que foi feito agora, claro, obriga a uma “distribuição” de suspeitas que vai atingir em cheio o Governo e o PSDB.

A credibilidade só pode mesmo ser buscada assim,.

O que importa é que, a esta altura, importa pouco o que se atire sobre Lula e Dilma sem suporte em fatos, o que até agora não se conseguiu fazer.

Mas importa muito porque a plausibilidade do que é dito nas delações tem suporte documental justamente no “pessoal do outro lado”.

Eliseu Padilha volta amanhã – talvez pelo alerta de Renan Calheiros de que o espaço que tem fosse tomado por Eduardo Cunha – e passa a ser uma situação insustentável dentro do próprio Palácio do Planalto.

Mas onde doerá, mesmo , é no baixo clero parlamentar, onde está o problema essencial da sobrevivência política de Michel Temer e que talvez o faça submeter-se à inglória missão de manter Padilha no Ministério.

O nome deste problema é Reforma da Previdência.

E a condição para que isso aconteça é a anistia ao “Caixa 2”.

Com todo o esforço de Gilmar Mendes, Fernando Henrique e Aécio Neves, a turba que levou o golpista ao poder dificilmente será domada nisso, sobretudo na mídia.

Quando a opinião pública passa a ver que “todos são iguais”, acaba vendo que Lula foi diferente.

Fernando Brito, Tijolaço

 
Usamos cookies para acelerar a navegação em nossas páginas. Clique na caixa ao lado.